Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Infecção urinária, saiba mais

Quem nunca teve uma infecção urinária que atire a primeira pedra. Você sabia que acontece mais em mulheres do que nos homens? Principalmente se ela estiver em fase gestacional. Mas que probleminha é esse que causa tanto incômodo e se não for tratada logo, pode levar à internação? 



Ela pode afetar qualquer parte do aparelho urinário, desde os rins, a bexiga, até a uretra. É feita pela presença de bactérias, vírus ou fungos no sistema urinário, sendo que quando afeta os rins, recebe o nome de pielonefrite; quando acomete a bexiga, é chamada de cistite; quando atinge a uretra, recebe o nome de uretrite. 


A mais comum é a cistite. É ela que causa aquela dor chata e ardência quando a pessoa urina. As idas ao banheiro aumentam, já que a sensação é de que a bexiga está sempre cheia e muitas das vezes, ao urinar repetidamente, sai pouco liquido. Em alguns casos, ela vem acompanhada com sangramento e febre. Antes que chegue a esse estágio, o recomendado é que se procure um médico com urgência.
O exame para saber se há uma infecção urinária é simples: coleta de urina. Estando infectada, ela se mostra turva e com grumos. Uma vez diagnosticada, ela é tratada com antibióticos durante sete dias, podendo variar de caso para caso.
A infecção urinária afeta mulheres com maior frequência, devido a fatores anatômicos, uma vez que a uretra desemboca próximo à entrada da vagina, local onde a flora bacteriana é abundante. 

Outro ponto que auxilia na ocorrência desse tipo de infecção, é o hábito de higiene após defecar ou urinar, levando o papel higiênico na direção ânus-vagina, facilitando a migração de bactérias intestinais até a vulva. 

Além disso, a uretra feminina é muito mais curta quando comparada com a masculina, facilitando o caminho desses microrganismos até a bexiga. A estase urinária também é um fator importante no desenvolvimento de infecções urinárias, já que a urina estagnada contribui com a proliferação bacteriana.
Ela não chega a ser uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), mas é bom ficar atenta: o pH da região fica alterado e com isso, vale lembrar que toda vez que um dos parceiros estiver com a bactéria e estiver com a infecção urinária, com um verme chamado clamídia, pode sim, comprometer a área urinária e sexual.
É recomendado que, sempre após ter uma relação sexual, a mulher urine.  
Isso porque o atrito e as bactérias envolvidas na relação podem contaminar a região pélvica da mulher. Ao fazer xixi, o aparelho urinário é exercitado e elimina grande parte das bactérias que podem ter entrado na uretra e ir em direção à bexiga. A própria vagina já concentra micro-organismos que podem causar infecção.
A higiene é fundamental para ajudar na prevenção da infecção. Limpar corretamente a vagina após urinar. Lenço umedecido e o sabonete intimo são grandes aliados quando o assunto é limpeza intima. Outra forma de prevenção é não dormir com absorventes internos e trocá-los a cada duas, três horas.
Fatores que facilitam o aparecimento da infecção urinária:
  • Gravidez, pois nessa época da vida da mulher, há uma diminuição da defesa do organismo da mesma, bem como aumento do hormônio progesterona, que causa um relaxamento maior da bexiga, favorecendo a estase urinária;
  • Diabetes;
  • Climatério;
  • Inserção de corpos estranhos na uretra, pois estes podem carrear bactérias para o interior do trato urinário;
  • Doenças sexualmente transmissíveis;
  • Infecções ginecológicas.
  • Segurar o xixi por muito tempo
  • Limpar-se de trás para frente após evacuar (mulheres)
  • Alterações hormonais
  • Baixa da imunidade
  • Pré-disposição genética
  • Uso de sondas
  • Doenças neurológicas
  • Fístulas no sistema urinário ou digestivo
Sintomas:
  • Urgência em urinar
  • Ardência/ dor ao urinar
  • Urina turva
  • Presença de grumos na urina, constatada no exame
  • Aumento da frequência em urinar, tendo que ir ao banheiro diversas vezes ao dia, em curto espaço de tempo e urinar em pouquíssima quantidade
  • Dificuldade para começar a urinar
  • Urina fétida e com coloração alterada. Algumas vezes, marrom ou vermelhada
  • Urina contendo sangue
Prevenção:
  • Beber bastante água ao longo do dia
  • Não prender a urina. Se precisar fazer xixi, faça. Não segure
  • Usar preservativo, urinar e se limpar após o ato sexual
  • Se limpar corretamente ao usar o banheiro: sempre de frente para trás
  • Lavar o ânus após evacuar, utilizando o chuveirinho
  • Não usar por muito tempo absorvente interno
  • Evite o uso de roupas intimas de material sintético e não use muito calças compridas, bermudas… Deixe a região da vagina respirar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...